A impaciência dos pacientes

Há dois tipos de médicos: os que se atrasam porque estão cuidando de pessoas mais doentes que você, e os que se atrasam porque são semideuses. Doutor Nazaré pertence à segunda categoria. Sente prazer exultante quando adentra a antessala do consultório e se depara com o abarrotar de pacientes impacientes.

Foi assim durante toda a sua vida clínica até o dia em que, surpresa!, não havia sequer um único paciente à sua espera. Dona Leocádia, onde estão todos os pacientes? Não sei Doutor, não apareceram, não remarcaram. A partir de então os dias correram sem haver pacientes que o Doutor Nazaré pudesse atender. Será que ninguém mais se adoenta nesta cidade?, resmungava o médico.

Agora sempre ao entrar no consultório, só o que há pela frente é a visão de uma ociosa Dona Leocádia. Passado um mês, Doutor Nazaré enfim parece ter encontrado uma solução: Dona Leocádia, precisei rever meus conceitos. Tome nota aí. Vamos trocar os sofás por outros mais confortáveis, contratar serviço de TV a cabo, inaugurar música ambiente, trocar a qualidade das revistas. Ah, claro, veja como instalar também o wifi. Os pacientes haverão de voltar aos montes. Dona Leocádia olhou o relógio. Naquele dia, Doutor Nazaré havia chegado duas horas após o horário em que normalmente se iniciavam as consultas. Enquanto anotava a lista de providências, Dona Leocádia planejava como procurar outro emprego.