De como descascar lichias


Peguei a coisa já quase pelo fim:

– Da próxima vez você traz uma balança.

Quem disse foi uma senhora de óculos escuros à John Lennon, o tom foi de professora que adverte o aluno sobre a imprescindibilidade do dever de casa.

– Não vendo pesos, vendo sabores.

Na verdade, isso não foi dito. O vendedor nem sequer replicou, mas são palavras que combinariam muito bem com a expressão do seu semblante.  Aquiescência dissimulada, muxoxo, má vontade no cumprimento de despedida, ele não conseguia disfarçar a irritação por lhe terem ditado como trabalhar. Para erguer o carrinho de mão, o corpo mirrado fez esforço de halterofilista, não era fácil impulsionar o carregamento abarrotado de lichias, essa fruta tão propícia a revelar perspectivas: há quem as veja como corações em miniatura, coraçõezinhos cor de fogo, e há quem possa enxergar no corpo enrugado delas a silhueta de uma granada, cada um vai pintando suas paisagens com a paleta de cores que tenha à mão.         

O carrinho de mão embrenhou-se na multidão, dele se desviando o vai e vem de gente apressada. Atento à exposição da mercadoria, o vendedor logo percebeu irromper ao lado do carrinho o braço estendido de quem estava mais abaixo, quase ao rés do chão. Na extremidade do braço, a mão em forma de concha, mão suplicante, petição urgente, o vendedor reagiu rápido, escolheu uma, não, melhor duas, três, contornou o carrinho de mão e as entregou à mulher sentada na calçada, lenço na cabeça, andrajos no corpo, sujeira na pele. Quando de novo preparado para empurrar o carrinho, o vendedor se deu conta de alguma coisa, voltou até onde estava a mulher e, agachado junto a ela, disse:

– São lichias.

Feita a apresentação, o vendedor se pôs a explicar à mulher o jeito de descascar a fruta. Ela aprendeu muito rápido e, ao retirar a casca por completo, não fez menção de querer abocanhar a novidade, preferiu contemplar demoradamente a transparência, a viscosidade, o branco, o brilho da fruta desnuda, alegria instantânea de saborear e conhecer uma descoberta.   

Três lichias a menos. Não é preciso balança para demonstrar que o carregamento estava menos pesado. O carrinho de mão seguiu mais leve. E o vendedor de lichias também.