Papel de vida e morte


Para além de determinado ponto, só passa quem for autorizado. Responsável pela triagem, o segurança não transmite ares de agente autoritário, aliás, está tão assustado quanto as pessoas que se aproximam para se inteirar do ocorrido.  

Atrás do segurança, a variedade de uniformes é indicativo de calamidade, há socorristas, bombeiros, policiais, e é rápido perceber entre eles o elemento destoante, um homem que, em cima da mureta da estação, atrai a soma de todas as apreensões. Questionado por alguém, um jovem ao meu lado é peremptório ao explicar a cena: o cara ali tá tentando se matar. De fato, lá para baixo a queda será definitiva. Camisa preta, calças jeans, cabelos penteados para trás, uma das mãos está enganchada na pilastra, é ela a chave entre vida e morte, enquanto a outra segura um papel dobrado.

Nessas ocasiões, convencer alguém a optar pela vida é tarefa delicada, muitas vezes porque a própria vida dificulta os termos da argumentação. Mas o negociador, bombeiro de farda folgada e mãos cruzadas nas costas, mantém a expressão plácida dos otimistas. É mais que método. Talvez, pela experiência, ele já tenha previsto que o homem não vai pular. Eu mesmo, leigo em percepções psicológicas, acho muito significativo que o homem se segure na pilastra com tamanha firmeza.

Enfim, entre o infinito e o inconstante, o homem opta pela boa e velha precariedade da vida, ele desce com cuidado, entregando-se ao amparo de muitos braços. Estranho é perceber certa decepção em algumas pessoas que até então permaneciam atentas ao desenrolar da situação, a elas, porém, não faltará o tanto de tragédias que pululam a cada esquina, são fartas, são diversas.

O homem ainda segura o papel dobrado. É impossível saber sobre o seu teor. Sabe-se, contudo, do seu uso. Serve agora de lenço para secar o rosto inundado pelo choro compulsivo.